Bom dia, hoje é domingo 21 de Outubro de 2018

Quarta revolução industrial pode mudar gestão das empresas do país
Publicado em: 28/09/2018 ás 15:57:00

 

Gestão empresarial não é mais como funcionava antigamente, diz Gerente-Executivo de Política Industrial da CNI, João Emílio Gonçalves

 

Por Cristiano Carlos

Investir em tecnologia digital é uma necessidade vital para as indústrias e empresas brasileiras que não pretendem fechar as portas nos próximos anos. É que a quarta revolução industrial, a chamada Indústria 4.0, avança forte, em todo mundo, em um caminho sem volta da digitalização dos processos de produção.

Entidades e especialistas apontam que todo o setor produtivo brasileiro terá de se adaptar aos novos conceitos da Indústria 4.0 e o passo inicial parte da gestão - a administração dos negócios.

Os empresários têm de conhecer as tecnologias e buscar conhecimentos para planejar a digitalização de suas empresas com objetivo de otimizar as linhas de produção por meio da interação dos mundos real e virtual.

O gestor terá de escolher as tecnologias que melhor vão atender às necessidades de cada empresa -“Então, isso, obviamente, coloca desafios para as empresas da forma de se organizar. A forma de se organizar vai depender de cada empresa, da cultura de cada empresa, mas não é mais como funcionava como antigamente” - explicou o Gerente-Executivo de Política Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves.

Digitalização Eficaz

Quase 30% das indústrias brasileiras ainda não utilizam tecnologia digital, segundo pesquisa da CNI, realizada no início de 2018. O percentual deixa claro que parte do setor industrial do país ainda precisa se adequar.

A transição da empresa tradicional para a Indústria 4.0 deve ser gradativa, de acordo com a capacidade de produção e investimentos de cada uma, priorizando a integração da tecnologia digital com as máquinas e equipamentos, por meio de sensores, softwares e robôs, por exemplo - “Haverá uma corrida maior pela introdução de tecnologias digitais, uma vez que isso vai garantir aumento de produtividade, aumento de entrega de valor para mercado, ou seja, produtos e serviços com maior valor agregado”, lembrou o professor do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB), Antônio Isidro.

MAIS:TENDÊNCIA: Digitalização da indústria pode diversificar produtos e impulsionar negócios no país

No entanto, a digitalização será ineficaz caso as empresas enfrentem problemas estruturais de produção, em desacordo com a filosofia da “Manufatura Enxuta”, que presa pela eficiência, pelo valor dos produtos e pela diminuição dos desperdícios, entre outras. Nesses casos, as empresas devem rever os processos da linha de produção antes de investir em tecnologia digital - “O que a gente diz é que não adianta você digitalizar um processo ineficiente. Ter essa base da Manufatura Enxuta, que gera por si só um ganho de produtividade muito grande, é uma etapa importante que as empresas precisam passar. Então, faz sentindo a gente pensar na Indústria 4.0 como um segundo passo, uma evolução em cima da Manufatura Enxuta” - lembrou João Emílio Gonçalves.

Eleições 2018

A implementação das tecnologias digitais nas empresas e a promoção da Indústria 4.0 faz parte do documentoPropostas da Indústria para as Eleições 2018, elaborado pela CNI para os presidenciáveis. Uma delas defende que a quarta revolução industrial é essencial para o Brasil crescer economicamente e competir no mercado internacional com os países desenvolvidos.

No mercado, existem empresas especializadas na integração de tecnologias digitais nas linhas de produção industrial. Além disso, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, o SENAI, atua, por meio dos Institutos de Inovações, na consultoria, no treinamento e capacitação das empresas em diversas áreas tecnológicas, em todo território nacional. 

Notícias relacionadas