Bom dia, hoje é quinta-feira 15 de Novembro de 2018

Espiritualidade: Rezar de manhã, segredo para o sucesso
Você já teve a experiência de um dia que parece simplesmente não dar certo? Talvez esteja faltando alguma coisa!
Publicado em: 26/10/2018 ás 08:38:00
Fonte: padrepauloricardo.org

Você já teve a experiência de um dia que parece simplesmente não dar certo? Quando um monte de coisas se acumulam e você não consegue fazer nada? Em que você percebe, lá no fundo, um sentimento de frustração, falta de foco e descontentamento com tudo e com todos?

Sim, todos nós já passamos por isso.

Não estou querendo dizer que seja esta a única explicação, ou a que melhor se encaixe na situação de todas as pessoas, mas, pelo menos falando por mim mesmo, tenho notado que todos os dias que não começam com um tempo de oração e recolhimento sempre “vão mal” dessa forma. Por outro lado, quando eu me levanto mais cedo e reservo um tempo para as Escrituras e alguma hora do Ofício Divino, o resto do dia pode até se mostrar difícil, mas as coisas nunca saem do controle, nem parecem “impossíveis” de resolver.

 

Santo Tomás de Aquino gostava de dizer que “o último na execução é o primeiro na intenção”. Ou, como os antigos colocavam de forma ainda mais sucinta: Respice finem, isto é, “Tenha diante dos olhos a finalidade das coisas”. O que esse axioma quer nos dizer é que, independentemente do que em última análise queiramos alcançar, essa coisa precisa ser a primeira que tencionamos e a primeira sobre a qual pensamos, a fim de que o poder dessa intenção nos conduza ao longo dos passos intermediários que tantas vezes separam onde estamos agora do lugar aonde esperamos chegar.

O fim da vida humana como um todo é a visão face a face de Deus no céu, na companhia de seus anjos e santos. Para alcançar esse fim, teremos de ordenar, harmonizar e integrar incontáveis passos intermediários desde este momento até nosso último suspiro. Nesse processo, nós precisamos não somente da graça de Deus (que é o primeiro requisito!), mas também de uma busca consciente desse fim, e de uma maneira constante, a fim de que nossas ações diárias sejam coerentes e tenham sentido. Dizendo de modo simples: nós só conseguiremos “dar sentido à bagunça” em que tantas vezes está metida nossa vida quando começarmos a ver as coisas sub specie aeternitatis — à luz da eternidade, de nosso destino final.

São estas as vantagens, portanto, de se começar o dia com oração: ela efetivamente predispõe o que quer que venha a acontecer naquele dia em ordem a uma finalidade; coloca-nos na presença de Deus, que está no comando de tudo; e faz com que peçamos a sua graça, para continuarmos associando a Ele — fonte imutável de vida — o fluxo interminável de acontecimentos do dia, inclusive os sofrimentos que virão.

Nós só conseguiremos “dar sentido à bagunça” em que tantas vezes está metida nossa vida quando começarmos a ver as coisas à luz da eternidade.

Deus, nosso fim último, é alcançado por meio da oração. Por meio dela, através de sua graça, nós entramos mais profundamente no mistério do amor sacrificial que Ele derrama em nós no Batismo e em todos os outros sacramentos. Sem oração, nós até podemos (por um tempo e em algum grau) “ter” essa união com a Santíssima Trindade objetivamente, mas ela não seria o lugar onde nós vivemos, a atmosfera onde respiram nossos pensamentos e desejos. Quando entramos conscientemente nessa união, nós “arrancamos” de Deus, para quem nada é impossível, a força para levar a cabo todo trabalho que Ele nos pedir naquele dia.

Nem sempre é possível fazer muitas coisas, mas nós precisamos tentar fazer o “único necessário”, isto é, sentar-se aos pés de Nosso Senhor e mergulhar em suas palavras, em sua presença, ao despertar de todo e cada dia.

Notícias relacionadas