Bom dia, hoje é domingo 22 de Setembro de 2019

Deputado Romoaldo será julgado na 7ª Vara por participação em desvio no Detran
?''Sem foro privilegiado, após definição do TJ, Romoaldo Júnior deverá''
Publicado em: 16/05/2019 ás 16:05:00 Autor: RD NEWS
Fonte: RD NEWS

O desembargador Paulo da Cunha, do Tribunal de Justiça, determinou que o deputado estadual Romoaldo Júnior (MDB) seja julgado na 1ª instância por suposta participação em esquema de desvios no Detran-MT. De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), os crimes investigados nas operações Bereré e Bônus causaram prejuízo de cerca de R$ 30 milhões aos cofres públicos. Pesa contra Romoaldo a acusação de ter sido beneficiado por um cheque de R$ 30 mil por meio de um assessor, que, em depoimento, inocenta o parlamentar.

Apesar de estar no cargo de deputado, Romoaldo foi eleito suplente pela coligação Pra Mudar Mato Grosso IV (DEM / PDT / PSC / MDB / PHS / PMB / PSD) e legisla na vaga do titular Allan Kardec (PDT) que atua como secretário de Estado de Cultura. Assim, o desembargador entendeu que houve quebra entre o mandato passado e o atual, não justificando o foro do emedebista junto ao Tribunal de Justiça. As acusações contra Romoaldo serão enviados à 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

“Por consequência, determino que todas as questões cautelares e os acordos de colaborações relacionadas aos denunciados sem foro por prerrogativa de função sejam doravante examinados/fiscalizados pelo juízo de primeiro grau, inclusive para fins de destinação de valores arrecadados ou imposição/revogação de constrições sobre bens e valores, observando-se o sigilo existente em alguns feitos, ao menos até decisão judicial em sentido diverso”, decidiu o magistrado.

Na mesma decisão, de 9 de maio, Paulo autorizou o acesso dos deputados Eduardo Botelho (DEM), Wilson Santos (PSDB) e Nininho (PSD) a acordos de colaboração premiada fechados no âmbito das duas operações. Eles já fizeram sua defesa preliminar, mas ainda não teriam tido acesso a documentos sigilosos do processo.

“Contudo, no rito especial da Lei n. 8.038/90, em que o acusado se defende antes do recebimento da denúncia (art. 4º), não se mostra acertada a restrição de acesso aos implicados dos termos de eventuais colaborações premiadas que os atinjam, sob pena de violação ao devido processo legal, ao contraditório e a ampla defesa. Entendimento diverso causaria evidente quebra da paridade de armas, pois, com base nas colaborações, foram realizadas diligências investigativas e proposta a denúncia, enquanto os implicados não poderiam ter acesso às respectivas informações para contrapô-las”, afirmou o desembargador.

“Por tais razões, a fim de evitar futura arguição de nulidade, autorizo, desde já, o acesso dos denunciados José Eduardo Botelho, Wilson Pereira dos Santos e Ondanir Bortolini aos termos de colaborações premiadas firmados nos presentes autos, facultando-lhes a complementação das respostas já apresentadas, no prazo de 15 (quinze) dias, mantendo-se o sigilo externo até o eventual recebimento da denúncia”, determinou.

O MPE denunciou 58 pessoas entre parlamentares, assessores, familiares, empresários e outros. O desembargador ainda deve aceitar a denúncia criminal para que o processo de oitiva de testemunhas e acusados tenha início e o julgamento tenha andamento.

A primeira fase, chamada de Bereré, teve início com a colaboração premiada do ex-presidente do Detran-MT Teodoro Moreira Lopes, conhecido como Dóia. O delator apontou para a liderança do ex-deputado federal Pedro Henry e do ex-deputado estadual Mauro Savi no esquema, que ainda envolveria o ex-governador Silval Barbosa, outro que fechou acordo de colaboração.

Já na segunda fase, apelidada de Bônus, a principal delação foi de José Ferreira Gonçalves Neto, sócio da EIG Mercados (antiga FDL Fidúcia), empresa que detinha contrato com o Detran-MT e teria desviado recursos lavados por meio da Santos Treinamentos. De acordo com o empresário, o ex-secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques teria recebido R$ 2,6 milhões pagos por meio do então diretor da EIG, José Kobori.

Os recursos teriam sido distribuídos aos parlamentares por meio dos assessores e outras pessoas ligadas a eles em pagamentos e transferências feitos pela Santos Treinamentos.

Notícias relacionadas